União das Freguesias de Achete, Azoia de Baixo e Póvoa de Santarém

Três realidades um só objetivo. Servir!

  • Sede União de Freguesias Achete
    Sede União de Freguesias Achete
  • Delegação de Azóia de Baixo
    Delegação de Azóia de Baixo
  • Delegação da Póvoa de Santarém
    Delegação da Póvoa de Santarém

Igrejas e Capelas

Achete

De interesse arquitectónico, na sede de Freguesia, encontra-se a Igreja Paroquial de Santa Maria de Achete.

igreja-paroquial-santa-maria-de-achete.jpg

Este templo é de uma só nave, sem arco triunfal, com três altares ao fundo e duas capelas laterais com retábulos de pedraria, sendo o da Epístola formado por um arco entre duas colunas jónicas, caneladas do séc. XVI.

O altar-mor possui um bom retábulo de talha dourada e o púlpito possui colunas e pilares com caneluras jónicas. O tecto é de três planos, em madeira de casquinha e dele pendia um rico lustre antigo de vidro, com traça dourada e pingentes.

altar-da-igreja-de-santa-maria-de-achete.jpg

Todo o templo é revestido de azulejos do tipo “PADRÃO” e “TAPETE” do Sec. XVII, de diversos desenhos, com faixas de cercaduras e, nele embutidos painéis pequenos com a Eucaristia, o Salvador e duas Virgens.

Os azulejos estão datados de 1648, num pequeno azulejo branco incluído no revestimento, junto ao púlpito.

Neste templo há boas imagens do séc. XVIII pintadas e estufadas com doiraduras. Junto à teia da nave, existiam uma de São Pedro, outra de São Paulo, medindo 1,180 m cada, uma de São João Evangelista e outra de São Bento, no altar do lado da Epístola, medindo 1,140 m.

Na torre há um relógio de sol e no adro havia restos de sepulturas antigas, uma delas trapezoidal, com a Cruz de Malta e vestígios de uma espada e uma arrecadação guardava seis jarras de altar, da fábrica do Rato, decoradas a ramos azuis sobre esmalte branco.

Este monumento foi restaurado em 1998 e quando da remoção do revestimento azulejar, verificou-se que por debaixo deste, a parede apresentava, ainda um outro, diferente e muito mais antigo. Também ao ser removido o pavimento da zona nobre, desta igreja, foi encontrado um outro, constituído por lajes com a Cruz de Templária esculpida, assim como figuras de Santos da mesma época.

Podemos afirmar, tal como os técnicos do CR5 que procederam ao restauro, que a grande riqueza deste edifício se encontra na talha dourada do altar-mor e na cobertura azulejar interior, cujos painéis de padrões semelhantes, mas sempre diferentes entre eles, conferem ao interior do templo uma riqueza patrimonial e cultural, de difícil semelhança nesta região.

A Freguesia de Achete possuía ainda oito ermidas:

 - Nossa Senhora do Bom Sucesso, situada na Ribeirinha de D. Fernando.
 - Santo António na Quinta das Martanas.

Destas duas ermidas pouco ou nada se conhece.

 - São João Baptista, situada num dos Casais do Verdelho (Casais de São João), é antiquíssima e a imagem do seu patrono está esculpida num seixo, com cunho medieval.

capela-de-sao-joao-antiga.jpg       capela-de-sao-joao-actual.jpg 

- Santo Amaro, pertence à Igreja de Santiago de Santarém que era da Ordem de Cristo, sofreu recentemente obras de restauro que remodelaram a sua traça.

capela-de-santo-amaro.jpg

 - São Simão, situada no lugar de Comeiras de Baixo, pouco se conhece da sua história, sabendo-se, no entanto, que é muito antiga.

capela-de-sao-simao.jpg

 - Santo António, situada em Advagar é uma ermida de arquitectura moderna, mas a imagem do seu patrono é pintada e estofada, com doiradura, do séc. XVIII.

capela-de-santo-antonio.jpg

 - Nossa Senhora do Leite ou Capela de Nossa Senhora de “Arocoeli”, situa-se no lugar de D. Fernando. Esta ermida mantém no seu único altar a imagem em madeira policromada de Nossa Senhora do Leite, oculta por um vestido e outras roupas, sentada, com o seu filho ao colo e agarrando o seio, numa atitude de mãe que amamenta.

capela-nossa-senhora-da-aracela.jpg

Toda a sua traça é de uma escultura de madeira, dos princípios do séc. XV, com restos de pintura antiga.

Sobre o lugar de D. Fernando, onde se situa esta ermida refere D. Francisco Câncio, na sua obra “Ribatejo Histórico e Monumental” e também o “Boletim da Junta de Província do Ribatejo” que no tempo em que o rei D. Fernando viveu em Santarém, quando das suas visitas a terras privilegiadas, deu o seu nome a uma pequena povoação desta freguesia, que ainda o conserva e que é este lugar.

Houve em Achete solares vários que pertenceram a figuras ilustres da nossa história.

A Quinta de Alcaidaria, na Torre do Bispo, foi propriedade de mui antiga, nobre família Coutinho, em que, D. Nuno Vasco Fernando Coutinho foi na expedição de Tânger em companhia dos infantes D. Henrique e D. Fernando. Passou mais tarde para os Duques de Lafões e ainda hoje pertence aos herdeiros desta família.

Um documento da Chancelaria do rei D. Afonso IV, filho de D. Dinis, fala-nos de algumas destas quintas que pertenciam ao Reguengo de Tojosa, que começava na água dos moinhos de Pernes, era delimitado pelo rio Alviela, a norte e pelo paúl do Feijoal a sul (actual Azóia de Baixo); doutras que integravam as terras dominadas pela ordem Religiosa e Militar dos Templários, até ao reinado de D. Dinis e doutras, ainda, que pertenceram à Ordem de Cristo.

Próximo da sede de freguesia há uma extensa propriedade com a denominação de Quinta D’El-Rei onde ainda se podem ver as ruínas de um solar medieval que segundo uma lenda, pertenceu ao Rei D. João I, que para aqui se deslocava com a família quando pretendia descansar. Diz-nos a mesma que, quando a rainha D. Filipa de Lencastre se encontrava grávida do seu último filho, Infante D. Fernando, considerando a sua idade já avançada e receando não ter leite para o amamentar, fez uma promessa a Nossa Senhora do Leite de, em sua honra, mandar construir, naquele lugar, uma ermida, se não surgissem dificuldades na amamentação.

Chegada ao fim a gravidez, o infante nasceu (1402) e a rainha-mãe, sentira-se feliz e tranquila, durante todo o tempo que foi necessário amamentar, porque o leite jorrava do seu seio em quantidade e qualidade.

Então a promessa foi comprida, no princípio do sec. XV e a capelinha, conhecida por “Capela de D. Fernando” lá se tem conservado ao longo de cerca cinco séculos, abrigando a devota imagem e, junto dela, se veio a formar a povoação que tomou o mesmo nome e que desde de sempre procurou refúgio na sua padroeira.

Esta ermida também é conhecida e designada por “Capela de Nossa Senhora de Aracoeli”. 

Igualmente próximas da sede da freguesia ainda existem a Quinta de Dona Belida, criada em 1395 e era pertença da Ordem de Cristo, a Quinta das Martanas que foi dos Condes de Alcáçova, a Quinta de Vale Flores que pertenceu ao Visconde da Ribeira do Paço, onde se encontra uma azinheira multissecular e de colossal tamanho e a Quinta da Caparota.

Todas estas quintas foram saqueadas e queimadas pelas tropas francesas, no período das invasões, à excepção da Quinta da Caparota que foi a mais poupada.

Azóia de Baixo

A igreja Matriz dedicada a Nossa Senhora da Conceição é um templo muito antigo, de construção anterior a 1700. De arquitectura simples, encontra-se gravada na cantaria da porta principal, a data de 1709, data que coincide com a de um restauro. Na verga da porta lateral, lê-se a data 1724.

igreja-matriz-nossa-senhora-da-concei-ao.jpg

O interior de uma só nave, é coberto por um tecto de madeira de três planos. É revestido de azulejos de algum valor artístico, azuis e amarelos, dos tipos padrão e tapete, do século XVII.

O altar-mor e dois altares laterais apresentam retábulos em talha dourada, do século, XVII.

Na cúpula do altar-mor uma pintura e uma imagem de Nossa Senhora da Conceição. A capela-mor é coberta por uma abóbada de cruzeiro com vestígios de pinturas do século XVIII.

altar-da-igreja-matriz-nossa-senhora-da-conceicao.jpg

A torre sineira foi construída em 1871, através de doações públicas.

No adro da igreja encontra-se um túmulo onde repousaram as cinzas de Alexandre Herculano, de 1877 a 1888, data em que mesmas foram trasladadas para a casa do Capitulo do Mosteiro dos Jerónimos, em Belém. Este túmulo pertenceu ao General Pedro Viera Gorjão, amigo chegado de Herculano, e que faleceu alguns anos antes. Os dois leões que ornamentavam o jazigo foram roubados.

tumulo-alexandre-herculano.jpg

Outros destaques:

A Escola Alexandre Herculano, construção de finais do século XIX, com marcas de arquitectura romântica, assinala a presença nestes lugares do escritor que lhe deu o nome, perpetuando a sua memória.

escola-alexandre-herculano.jpg

Aqui, uma lápide fixa para a posteridade o seguinte texto/mensagem:

Mandada edificar com as sobras da subscrição nacional para o monumento que, no edifício dos Jerónimos, em Belém,  encerra as cinzas do grande Historiador.”

"Em memória dos últimos anos de vida por ele passados, primeiro nesta aldeia e casa contígua, depois na próxima propriedade de Vale de Lobos.”

"Traçou e dirigiu a obra o Coronel de Engenheiros Manuel Raymundo Valladas - Setembro de 1894"

Póvoa de Santarém

A igreja Matriz de Nossa Senhora da Luz cuja data de construção é desconhecida. Sabe-se porém queque no século XVII já existia uma pequena capela que se foi transformando através dos tempos, sofrendo a maior alteração após um terramoto, em 1909. Foi então reparada por artistas da Póvoa que a ampliaram, dando-lhe a fachada que tem actualmente. Na parede da fachada principal está gravada a data 1910.

Nossa-Senhora-da-Luz.jpg

É um templo interessante, de uma só nave e capela mor abobadadas altar-mor com retábulo de talha dourada, dois altares colaterais, e uma capela lateral. Púlpito de pilares jónicos. Possui muita talha dourada e varias esculturas setecentistas em madeira, destacando-se uma escultura quinhentista em pedra, onde figura Santo António. Na base desta imagem, em caracteres góticos, está uma assinatura coma as iniciais P.A.

No adro da Igreja está sepultada a sobrinha e filha adoptiva do Historiador Alexandre Herculano, Margarida Herculano da Costa Mendes, falecida precocemente. Está também sepultado o benemérito Vicente Paulo Cordeiro, que viveu no século XIX. Oferecia aos casais que quisessem contrair matrimónio, lote de terreno, sendo esta cerimónia realizada no dia de Nossa Senhora da Luz, a 15 de Agosto.